Na Paraíba

Decreto com restrições será inevitável em João Pessoa, na Paraíba

A realidade está se impondo. Os resistentes às medidas mais restritivas, em João Pessoa, começaram a ceder. Na prefeitura de João Pessoa, autoridades se dividem entre fortalecer a conscientização e começar a tomar atitudes mais duras nas próximas horas. No governo estadual, prevalece o pensamento que é hora de endurecer para evitar um colapso no sistema. Um novo decreto municipal já está com texto pronto, sendo analisado pelo jurídico.

Alvos – E alguns alvos definidos, segundo relataram fontes ao Conversa Política. Estacionamento na orla, diminuição de mesas em bares e restaurantes, suspensão de eventos particulares, nada de shows ou espaços pra danças. Na lista, pode entrar ainda praias, parques, escolas, igrejas. Tudo vai depender do resultado das medidas na estrutura do sistema de Saúde que estão sendo tomadas, neste fim de semana.

Novos leitos – A prefeitura de JP anunciou parceira com o governo da PB para aumentar o número de leitos: mais 150 (Hospital Santa Isabel, Pronto Vida, HU). As Upas dos Bancários e Jardim Oceania voltam a ser exclusivamente Covid. Medidas que irão refletir na porcentagem de ocupação, mas a gravidade continuará presente, se o comportamento não mudar nas ruas, dizem as autoridades.

Preocupação de autoridades – Os leitos públicos e privados lotaram e a perspectiva nos próximos dias é de uma “leva” nova de contaminação. A projeção epidemiológica fez nascer uma medo de um colapso. Hospitais privados já cogitam mandar pacientes para o sistema público

.

Imagem: reprodução/Governo da PB

Neste sábado, um novo boletim registrou 1349 casos. Nos últimos dias, a quantidade de mortes variou entre 13 e 22. Municípios voltaram à bandeira vermelha, outros tantos regrediram para a laranja.

Resultado: autoridades de Saúde expõem preocupação, o governador João Azevêdo foi às redes sociais alertar. “A adoção de medidas mais restritivas ou não dependerá muito do apoio de todos”, afirmou.

Em conversar reservadas, médicos, fisioterapeutas, diretores de hospitais relatam que a situação pode ficar insustentável.

Nova fatura  – Para piorar, quem está esgotado, física e psicologicamente com o que vê a cada hora nos hospitais, tem certeza que nos próximos dias vai chegar a fatura da incompreensão da real gravidade do momento, do clima de verão, das praias cheias, das aglomerações domésticas, dos carnavais clandestinos, dos casamentos centenas de convidados.

blog conversa política – Laerte Cerqueira e Angelica Nunes

Mais popular