Economia

Dólar fecha abaixo de R$ 4,30

O dólar fechou em queda nesta sexta-feira (14), dando sequência à trégua da véspera, em mais um dia de intervenção do Banco Central no mercado de câmbio. Até quarta, a moeda havia batido quatro recordes consecutivos.

A moeda norte-americana recuou 0,79%, a R$ 4,2997. Veja mais cotações. Na semana, o dólar acumulou queda de 0,47%. Foi a primeira queda semanal do ano, segundo a Reuters.

Nesta semana de recordes, o maior patamar de fechamento foi registrado na quarta-feira (R$ 4,3505). Na quinta-feira, a moeda atingiu a maior cotação intradia (R$ 4,3830), apesar de ter fechado em queda.

Na parcial do mês, a moeda tem alta de 0,34%. No ano, já subiu 7,23%.

Leilão de swap – O Banco Central fez nesta sexta-feira mais um leilão de até 20 mil contratos de swap cambial tradicional, no equivalente a US$ 1 bilhão, em oferta líquida desses ativos – a mesma operação realizada na quinta, após a disparada do dólar.

Por meio dos contratos de “swap cambial”, o BC realiza uma operação que equivale à uma venda de moeda no mercado futuro (derivativos), o que reduz a pressão sobre a alta da moeda. A oferta de swaps cambiais nesta quinta foi a primeira do tipo desde agosto de 2018.

Os swaps são contratos para troca de riscos: o BC oferece um contrato de venda de dólares, com data de encerramento definida, mas não entrega a moeda norte-americana. No vencimento desses contratos, o investidor se compromete a pagar uma taxa de juros sobre o valor deles e recebe do BC a variação do dólar no mesmo período.

Esses contratos servem também para dar “proteção” aos agentes que têm dívida em moeda estrangeira – neste caso, quando o dólar sobe, eles recebem sua variação do BC.

Mais popular